Jackpot Fishing

Conteúdo editorial apoiado por
IM Business

Jackpot Fishing - JBS ainda é questionada sobre liquidez com dupla listagem, mas reafirma aposta no mercado americano

Empresa terá que sair do Ibovespa, mas poderá fazer parte do S&P 500

Fernando Lopes

Publicidade

Anunciado pela JBS (JBSS3) em julho, o plano de dupla listagem de ações da empresa, no Brasil e nos Estados Unidos, ainda gera dúvidas no mercado. Uma das questões envolve os índices que ajudam a nortear os investidores “passivos”, aqueles que, em lugar de acompanhar empresa por empresa, optam por investir no Ibovespa.

Com a dupla listagem, as ações da companhia serão negociadas na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE) e na B3. Brazilian Depositary Receipts (BDRs) Nível II serão negociados na bolsa brasileira, lastreados nas ações Classe A listadas na NYSE, e os acionistas minoritários poderão cancelar os BDRs em qualquer momento para deter ações Classe A.

Com isso, a ação da JBS não fará mais parte do Ibovespa, o principal índice de referência da Bolsa brasileira. Volta e meia o CFO da empresa, Guilherme Cavalcanti, é questionado sobre como ficará a liquidez das ações a partir daí. A resposta é simples: de fato, a JBS sairá do Ibovespa, cuja participação tem reflexo em menos de 0,5% de seu capital; mas o caminho para que a empresa participe de índices americanos está pavimentado.

Os índices Russell US, por exemplo, elaborados por uma companhia controlada pelo Financial Times, são os primeiros que vêm à mente de Cavalcanti em conversa com o IM Business. Ele lembra que os fundos de investimentos que têm os Russell como “benchmark” somam cerca de US$ 10 trilhões, ao passo que o valor de mercado total das empresas que compõem o Ibovespa não chega a US$ 1 trilhão.

Planta da JBS no Colorado, EUA: ‘sonho americano’ da dupla listagem cada vez mais próximo (Matthew Stockman/Getty Images)

Há também os índices MSCI (Morgan Stanley Capital International), mas, pensando grande, a JBS quer mesmo é fazer parte do Standard & Poor’s 500, o principal da NYSE, que inclui as 500 maiores empresas de capital aberto dos EUA. Lá estão companhias como Microsoft, Apple, Google e Johnson & Johnson, e os fundos passivos que o seguem somam US$ 16 trilhões – o valor de mercado total das empresas que negociam suas ações na NYSE e na Nasdaq, por sinal, atinge US$ 50 trilhões.

Uma vez listada nos EUA, a JBS ainda teria que esperar entre seis e 12 meses para ser incluída do S&P 500, e, para tal, teria que alcançar uma “market cap” de US$ 13 bilhões. Atualmente a market cap (valor do total das ações em circulação de uma empresa, pela cotação da bolsa) da JBS chega a cerca de US$ 8,5 bilhões, mas Cavalcanti afirma que a meta pode ser alcançada sem maiores percalços.

Ele lembra, por exemplo, que a Pilgrim’s Pride, empresa com ações da Nasdaq na qual a JBS tem participação de 82%, tem market cap da ordem de US$ 6 bilhões, o que sugere que o espaço para o crescimento do valor referente à companhia brasileira, que lidera as vendas de proteínas animais no mundo com faturamento anual de quase R$ 400 bilhões, está aberto. “Temos tamanho para isso. Mais da metade das nossas vendas são nos EUA”, afirma Cavalcanti.

O CFO também observa que o peso da gigante brasileira nos EUA já é sentido nos índices de mercado de dívidas Bloomberg Barclays. Ali estão dívidas que somam, no total, US$ 62 bilhões, e a JBS – a empresa brasileira listou sua dívida na SEC, a comissão de valores mobiliários americana –, em conjunto com a Pilgrim’s Pride, está em quinto lugar no ranking (participação de 5,7%), depois de ABInBev, PepsiCo, Coca-Cola e Kraft Heinz.

Se tudo der certo, diz Cavalcanti, a dupla listagem deverá ser concluída até o fim deste ano, e haverá ganhos nítidos de liquidez, dadas as diferenças abissais entre os mercados brasileiro e americano. A continuidade do processo depende, porém, da aprovação, em assembleia, da maioria dos acionistas minoritários da JBS. Os controladores não poderão votar.

IM Business

Newsletter

Quer ficar por dentro das principais notícias que movimentam o mundo dos negócios? Inscreva-se e receba os alertas do novo Jackpot Fishing Business por e-mail.

Preencha o campo corretamente!
E-mail inválido!
Preencha o campo corretamente!
Preencha o campo corretamente!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Fernando Lopes

Cobriu o setor de energia e foi editor do semanário Gazeta Mercantil Latino-Americana até 2000. Foi editor de Agro no Valor Econômico até fevereiro de 2023.

Jackpot Fishing Mapa do site