Jackpot Fishing

Jackpot Fishing - Por que o impasse sobre o teto da dívida dos EUA é importante? Entenda

Governo dos EUA pode ficar inadimplente no início de junho, o que desencadearia sérias consequências aos mercados financeiros

Roberto de Lira

Publicidade

O governo dos Estados Unidos e o Congresso americano, particularmente a Câmara dos Representantes, vivem atualmente um impasse sobre a autorização ou não para o aumento do teto da dívida federal.

No último dia 9 de maio, o presidente Joe Biden se reuniu pela primeira vez com as lideranças dos Partidos Republicano e Democrata para discutir soluções que impeçam o calote (default) dos pagamentos sobre as obrigações da dívida dos EUA e uma paralisação na prestação de serviços governamentais, o chamado “shutdown”. Mas um acordo ainda parece distante.

Para entender o tamanho do problema e suas implicações é importante saber do que se trata, quais os caminhos possíveis e os efeitos que essa crise pode trazer para o governo e os mercados em geral.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O que é o teto da dívida dos EUA?

O Departamento do Tesouro dos Estados Unidos resume que o limite da dívida é a quantia total de dinheiro que o governo dos EUA está autorizado a tomar emprestado para cumprir suas obrigações legais existentes, incluindo benefícios de Seguridade Social e Medicare, salários militares, juros sobre a dívida nacional, restituições de impostos e outros pagamentos. Ainda segundo o Departamento, o teto não autoriza novos compromissos de gastos, apenas permite que o governo financie as obrigações legais existentes.

Quando o teto foi estabelecido?

O Comitê para um Orçamento Federal Responsável (Crfb), uma ONG com sede em Washington especializada em questões orçamentárias e fiscais, o teto da dívida foi promulgado pela primeira vez em 1917, por meio do Second Liberty Bond Act e foi fixado em US$ 11,5 bilhões, com o objetivo de simplificar o processo e aumentar a flexibilidade dos empréstimos. Antes dessa lei, cabia ao Congresso aprovar cada emissão de dívida em uma legislação separada. Em 1939, o Congresso criou o primeiro limite de dívida agregada, cobrindo quase toda a dívida do governo e fixou-o em US$ 45 bilhões, cerca de 10% acima da dívida total na época.

Quanto é o teto da dívida hoje?

Atualmente, o número máximo de dívida emitida pelos EUA não pode ultrapassar os US$ 31,381 trilhões, após o limite ter sido elevado duas vezes em 2021, ainda na gestão de Donald Trump. Segundo relatório da XP Investimentos, esse valor representa um aumento de 42,7% em relação a 2019, antes das medidas extraordinárias relacionadas à pandemia, e é 250% maior que 2007, antes da última grande crise financeira. Mas esses valores têm crescido ao longo do tempo. O Crfb comenta que, desde o fim da Segunda Guerra Mundial, o Congresso e o presidente modificaram o teto da dívida mais de 100 vezes.

Continua depois da publicidade

Por que o tema voltou ao debate?

O governo federal atingiu o teto da dívida de US$ 31,381 trilhões no dia 19 de janeiro e, desde então, não conseguiu emitir nenhuma nova dívida. A administração de Joe Biden tem conseguido continuar cumprindo suas obrigações no curto prazo combinando o caixa à disposição com medidas extraordinárias, que preveem o repasse de alguns recursos, como a suspensão da venda de certos títulos do governo. Desde o início do ano, especulava-se quando seria a data na qual o governo não teria mais recursos para pagar essas obrigações, o que os americanos têm chamado de “Data X”. No início deste mês a secretário do Tesouro informou que o começo de junho seria esse limite, o que colocou pressão para que Congresso e governo cheguem a um acordo sobre a elevação do teto?

Qual o motivo do impasse?

Após as eleições de meio de mandato (as “midterms”) de novembro do ano passado, o Partido Republicano, de oposição ao democrata Joe Biden, assumiu o controle da Câmara, com as lideranças do partido prometendo criar dificuldades e embaraços à atual administração. O deputado Kevin McCarthy, o atual porta-voz da maioria – uma espécie de presidente da Câmara – precisou fazer várias concessões à ala mais à direita do partido para garantir sua nomeação, uma delas a garantia de empenho numa proposta radical de corte de gastos em troca da aprovação da elevação do teto. Desde o início do ano, porém, Biden vem se negando a discutir propostas que atrelem a questão fiscal à orçamentária.

Qual é a proposta dos republicanos?

No final de abril, a Câmara aprovou, por 217 a 215 votos, a legislação “Limite, Economize, Cresça” (Limit, Save, Grow Act), que suspenderia o teto da dívida até 31 de março de 2024 ou aumentaria esse limite em US$ 1,5 trilhão, o que acontecer primeiro. Mas em troca é exigido um total de US$ 4,8 trilhões em economias num prazo de dez anos. As maiores economias decorrem de retomar em 2024 (ano eleitoral) os gastos discricionários ao nível do ano fiscal de 2022. O plano prevê outras economias, como a revogação de créditos fiscais para energia renovável e gastos da Lei de Redução da Inflação, aprovada no ano passado. Os republicanos também querem impedir o cancelamento de dívidas estudantis prometidas por Biden. As exigências de trabalho para quem estiver em programas assistenciais também seriam ampliadas, reduzindo seu acesso.

Qual a reação da Casa Branca?

Joe Biden vem falando sobre o tema e criticando a posição republicana desde o início de seu mandato. No último discurso à nação “O Estado da União”, em fevereiro, ele lembrou que a dívida nacional é consequência de ações já tomadas pelo Congresso e que representa, por exemplo, a conta de guerras passadas, cortes de impostos anteriores e despesas que já ocorreram. “Não honrar tal dívida por causa de um limite arbitrário produziria consequências incertas, mas prováveis, desastrosas para os mercados financeiros e para a economia”, disse à época. Ele também tem acusado a oposição de hipocrisia, uma vez que o teto da dívida foi elevado por três vezes na gestão de Donald Trump sem obstáculos por parte dos democratas.

Quais as opções à disposição?

O relatório da XP lembra que há diversas alternativas, que vão desde um amplo acordo bipartidário, – considerado o melhor cenário – passando pelo uso da 14ª Emenda Constitucional, que permite a elevação do teto da dívida de forma unilateral, ou pela cunhagem simbólica de uma moeda de 1 trilhão de dólares. Há ainda uma solução temporária, na qual um pequeno aumento do teto seria aprovado e as negociações acerca de um acordo maior se estenderiam por mais algumas semanas ou meses. O site Politico colocou que um corte de gastos por dois anos, em vez de uma década, pode ser uma alternativa.

E se o limite for atingido?

Uma vez que o governo atinja o teto da dívida e esgote todas as medidas extraordinárias disponíveis, não poderá mais emitir dívida e logo depois ficará sem dinheiro em caixa. Nesse ponto, dados os déficits anuais, as receitas recebidas seriam insuficientes para pagar milhões de obrigações diárias no vencimento. Portanto, o governo federal teria que, pelo menos temporariamente, deixar de cumprir muitas de suas obrigações, desde pagamentos da Previdência Social e salários de funcionários civis federais e militares até benefícios de veteranos e contas de serviços públicos, entre outros. Em termos administrativos, o governo pode entrar em paralisação (shutdown) com a prestação de diversos serviços governamentais sendo afetada. Podem acontecer atrasos de salários de servidores e atividades consideradas não essenciais seriam suspensas.

Quais os efeitos econômicos de um calote?

Até mesmo a percepção de uma ameaça de inadimplência por parte do governo americano pode ter implicações econômicas negativas em uma escala global, dada a interdependência atual. Já a concretização do calote perturbaria os mercados financeiros, uma vez que a estabilidade da economia dos EUA é um dos fatores considerados em vários países, em especial os instrumentos de dívida.

As taxas de juros aumentariam e a demanda por títulos do Tesouro cairia à medida que os investidores parassem ou reduzissem os investimentos nesses títulos, se eles não fossem mais considerados seguros. Internamente, o choque de juros afetaria empréstimos para carros, cartões de crédito, hipotecas, investimentos comerciais e outros custos de empréstimos e investimentos. Os balanços dos bancos e outras instituições com grandes participações em títulos do Tesouro cairiam, potencialmente restringindo a disponibilidade de crédito, como visto mais recentemente na última grande recessão.

Um relatório da Moody’s Analytics divulgado no início de 2023 estimou que um default poderia ter consequências macroeconômicas semelhantes à crise de 2008-2009: um declínio de 4% no Produto Interno Bruto (PIB), quase 6 milhões de empregos perdidos e uma taxa de desemprego de mais de 7%. Além disso, a Moody’s previu uma perda de US$ 12 trilhões no patrimônio familiar doméstico, com as ações caindo até um terço no auge da liquidação.

Jackpot Fishing Mapa do site