Jackpot Fishing

Conteúdo editorial apoiado por
IM Trader

Jackpot Fishing - Com maior queda do ano, o que a análise técnica aponta sobre as ações de Alpargatas?

Mesmo com a disparada de maio, tendência primária das ações segue de baixa

Rodrigo Petry

Publicidade

Ação da Alpargatas (ALPA3) desponta até agora como a maior desvalorização do ano na Bolsa, com queda de de 42,3%. No entanto, mesmo com as perdas desta terça-feira (16), quando os papéis caíram 1,58%, terminando a sessão cotados a R$ 8,70, o ativo passa por um momento de valorização em maio, já tendo subido 17,3%.

A recuperação das ações coincide com a troca do comando na empresa. Dia 1º de maio, a dona da Havaianas informou a renúncia de Roberto Funari. Em comentário sobre o desempenho da empresa, o JP Morgan avaliou que a direção estratégica da companhia é a correta. Entretanto, o trabalho de execução tem sido problemático.

Na divulgação dos resultados do primeiro trimestre, quando informou um prejuízo de R$ 119 milhões, a própria direção interina da companhia reconheceu o momento ruim. Mesmo assim, diante de todos esses problemas, as ações da Alpargatas saltaram 12% depois dos resultados.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Dito isso, confira o que analistas técnicos consultados pelo Jackpot Fishing apontam sobre as perspectivas para o preço do papel da fabricante brasileira de calçados, com atuação global.

Análise técnica: Alpargatas

O analista da Top Gain, Matheus Lima destaca que as ações da companhia tiveram uma das maiores “reviravoltas da bolsa” no período pós pandemia.

Nesse período anterior à Covid, o papel [como se vê no gráfico abaixo] seguia uma tendência de disparada, saindo da casa dos R$ 4,38, em 2015, para R$61,69, em seu pico, em 2021.

Desde então, porém, o papel chegou a acumular uma desvalorização de mais de 88%, desde o seu topo histórico, abrindo espaço, agora, para uma possível oportunidade de compra da ação.

Gráfico mensal de ALPA4: 2015 a 2023

Fonte: ProfitChart. Elaboração: Matheus Lima

Conforme ele, analisando o médio prazo, a tendência de baixa fica mais clara. Ela se iniciou após a confirmação de um pivô de baixa, quando os papéis passaram a ser negociados abaixo de R$32,61, em março de 2021.

“O papel cessou, momentaneamente, a primeira onda de baixas somente após uma consolidação, que durou praticamente metade de 2022, entre o R$ 17,90 e o R$ 23,35[veja no gráfico abaixo]”, analisa Lima.

Gráfico semanal mostra consolidação entre R$ 17,90 e R$ 23,35 

Fonte: ProfitChart. Elaboração: Matheus Lima

Contudo, no curto prazo, aponta Lima, as ações registram ganhos no mês de maio, “dando os primeiros sinais de reversão, ao romper a LTB (linha de tendência de baixa), mais inclinada [conforme gráfico abaixo], e tentando romper a segunda marcação de topos menores”.

“Ao se firmar acima de R$ 9,00, espera-se que o papel busque, no mínimo, o fechamento do gap,nos R$11,78, para, após isso, confirmar a reversão de tendência primária de curto prazo, que ainda é de baixa”, concluiu Lima.

ALPA4: Gráfico diário de curto prazo

Fonte: ProfitChart. Elaboração: Matheus Lima

ALPA4: em baixa desde 2021

A analista técnica da Clear, Pam Semezzato, aponta que a forte tendência de baixa do papel vem desde 2021, a partir da indicação das correções laterais. “A última correção foi depois do rompimento do fundo de R$ 17,80, já alcançando a projeção de 100% do movimento, em R$ 6,80, utilizando a projeção de Fibonacci alternada [veja no gráfico abaixo]”, disse ela.

Gráfico semanal Alpargatas

Fonte: ProfitChart. Elaboração: Pam Semezzato

Conforme ela, o preço de R$ 6,80 também é um suporte anterior, “e mostrou reação compradora, iniciando um movimento de correção dessa última ‘perna'”. “Utilizando os pontos de correção por Fibonacci são: R$ 11,05 e R$ 14,85, e 50% do movimento anterior está em R$ 12,80“, explica ela.

“A ‘perna’ de alta que começou no dia 28 de abril foi forte e ainda teria espaço para subir mais e alcançar os pontos de retração da última ‘perna’ e, quando olhamos para o gráfico diário [veja abaixo], os últimos dias mostram equilíbrio, sem muita força vendedora para retomar a tendência de baixa”, completou.

ALPA4: Gráfico diário

Fonte: ProfitChart. Elaboração: Pam Semezzato

Para o curtíssimo prazo, Pam entende que a ação até pode dar oportunidades de compra, indo contra sua tendência de baixa. Isso pode ser possível, aponta ela, caso o ativo se mantenha acima do topo rompido de R$ 8,60 (como aconteceu no fechamento desta terça, dia 16), “e com atenção para as resistências de R$ 10,30 e R$ 11,00.”

“E, para vendas, esperaria uma barra com bom deslocamento na queda e com fechamento abaixo do suporte de R$ 8,60, para teste no fundo anterior, de R$ 6,80“, completou a analista.

Tentando fechar gap

Por fim, o analista chefe da Wisir Research, Gustavo Massotti, destaca que a Alpargatas cedeu mais de 85%, após marcar seu topo histórico, em agosto de 2021. No curto prazo, porém, o ativo “tenta armar uma bandeira de alta, que têm como projeção o fechamento do gap aberto na região dos R$ 11,70.”

Para ele, os suportes imediatos ficam nos R$ 7,90 – R$ 6,80 (fundo dos últimos três anos).

Gráfico diário: setembro/22 a maio/23

Fonte: ProfitChart. Elaboração: Gustavo Massotti

Massotti traz ainda que, no gráfico dolarizado de ALPA4, é possível verificar que seus preços trabalham em regiões de fundo, marcados entre junho de 2014 e outubro de 2015.

“Foi justamente essa região que antecedeu o principal movimento de alta do ativo [veja no gráfico abaixo], antes das máximas”, aponta ele.

Gráfico dolarizado de Alpargatas: 2011 a 2023

Fonte: ProfitChart. Elaboração: Gustavo Massotti

Leia mais:

Jackpot Fishing Mapa do site