Jackpot Fishing

Jackpot Fishing - deputados do Paraná enviam denúncia à CVM questionando privatização; empresa responde

Copel disse que "a transformação em corporação, definida pelo Paraná a partir de lei aprovada na Assembleia Legislativa, ocorre em respeito à legislação"

Estadão Conteúdo

Publicidade

São Paulo – Um grupo de deputados do Paraná ligados à da Frente Parlamentar das Estatais e das Empresas Públicas entrou com uma representação na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) questionando o processo de privatização da Copel (CPLE6) e alegando que foi cometida uma série de infrações no processo.

No encaminhamento eles alegam que houve a imposição de um sigilo a documentação de natureza pública e a exigência de sigilo judicial em ações que implicam em ofensa a sigilo concorrencial, e que possuem impacto direto aos acionistas.

Os deputados também relatam no documento que a empresa teria classificado incorretamente uma provisão de R$ 3,2 bilhões em seu balanço, diante da existência de sentença definitiva em processo arbitral. Eles dizem, ainda, que houve irregularidade na designação, pelo governo estadual, para que a empresa implementasse a Lei das Estatais do Paraná, especialmente na negociação com assessorias para a modelagem da oferta pública. Nesse ponto, o grupo classifica como suspeita a contratação de uma consultoria para fazer a instrução da privatização, uma vez que um dos sócios do escritório é filho de uma conselheira da Copel.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Eles alegam, ainda, que houve o descumprimento de cláusulas de anuência prévia previstas nos contratos de concessão dos segmentos de geração e distribuição de energia, sobre a inclusão estatutária e consulta à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em caso de alienação das ações que fazem parte do bloco de controle do acionista controlador, e descumprimento de ciência prevista em decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) nº 030.751/2022-5 que reconheceu a exigências destas cláusulas.

O texto encaminhado à CVM também afirma que houve a divulgação de informações privilegiadas e a violação do sigilo pelo governador e pela diretoria da Copel, de que já havia sido definido que o follow-on, antes pensado exclusivamente para a privatização, terá também uma tranche primária.

Risco antecipado

Os questionamentos levantados pelos deputados já eram aguardados pela companhia, que antecipou no formulário F-20, encaminhado à Securities Exchange (órgão que regula o mercado de capitais norte-americano) o risco desse existir esse tipo de ação.

Continua depois da publicidade

“Se qualquer um desses procedimentos legais for bem-sucedido, a transação proposta pode não ser implementada ou pode não ser implementada conforme proposta”, diz trecho do documento.

No formulário, a Copel também havia mencionado que caso a privatização deixe de acontecer, os valores dos títulos da empresa negociados no mercado de capitais podem sofrer impactos negativos e a companhia pode encontrar dificuldades para renovar algumas de suas concessões que vencem nos próximos anos, ou terá que aceitar uma condição menos favorável para manter os ativos.

Procurada, a Copel informou em nota que, “a transformação da companhia em corporação, definida pelo Estado do Paraná a partir de lei aprovada na Assembleia Legislativa, ocorre em respeito a toda a legislação que rege o referido processo, o que inclui o regramento para empresas de capital aberto, com a fiscalização do Tribunal de Contas do Estado do Paraná”.

Jackpot Fishing Mapa do site