Jackpot Fishing

Jackpot Fishing - MRV (MRVE3) e Lavvi (LAVV3) sofrem com compressão da margem bruta, mas reportam forte geração de caixa

Construtoras registram compressão das margens devido à pressão de custos

Felipe Moreira

Publicidade

As construtoras MRV (MRVE3), Lavvi (LAVV3) e Moura Dubeux (MDNE3]) divulgaram seus resultados referentes ao segundo trimestre na noite desta quarta-feira (10).

Em comum, todas registraram diminuição da margem bruta, sendo que Lavvi e MRV tiveram maior deterioração do indicador, além de forte geração de caixa operacional no período.

Com relação a MRV, analistas da XP apontaram que resultados foram fracos, prejudicados pela compressão da margem bruta e equity swap.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“A margem bruta atingiu níveis abaixo do esperado de 19,4% (-6,0 p.p. na base anual e -0,4 p.p. na trimestral), prejudicada por custos sob pressão, apesar do aumento razoável do preço médio por unidade no trimestre. Com isso, o lucro líquido ficou abaixo do esperado em R$ 58 milhões, impactado negativamente pelas operações de equity swap”, comentou a XP Investimentos, em relatório.

De positivo, a equipe de research destaca a geração de caixa de R$ 343 milhões vs. um consumo de caixa de R$ 817 milhões no 1T22, impulsionada pelas vendas de projetos da Resia e da Luggo, levando a um efeito positivo de R$ 449 milhões no trimestre. Como resultado, a alavancagem (dívida líquida/patrimônio líquido) melhorou, chegando a 41,1% (-8,2 p.p. T/T).

Para o Credit Suisse, a construtora apresentou números positivos no 2T22, marcado por uma compressão menos preocupante nas margens brutas e prejuízo líquido de R$ 44 milhões das operações domésticas.

Continua depois da publicidade

No geral, analistas do banco suíço avaliam que a “MRV demonstrou que suas margens podem ter atingido um piso e que as perspectivas são positivas considerando a estratégia de aumento de preços e a aceleração de lançamentos em um cenário mais favorável”.

Já o Bradesco BBI destaca que a margem bruta de novas vendas de 25% ainda não reflete a melhoria das condições do programa Casa Verde e Amarela (CVA), portanto, a evolução deste indicador deverá ser o principal ponto a ser observado no 2S22, juntamente com a tão esperada injeção de capital na Resia.

Bradesco BBI comenta que a MRV permanece entre seus nomes preferenciais no setor. Dessa forma, mantém avaliação outperform (desempenho acima da média do mercado, equivalente à compra) e preço-alvo de R$ 17 frente ao preço de fechamento de quarta-feira (10) de R$ 11,36, implicando em um potencial de valorização de 49,6%.

O Credit Suisse diz começar a se tornar mais construtivo com as operações locais da MRV devido aos ventos favoráveis ​​dos ajustes do CVA, além de ter uma visão positiva sobre o potencial de expansão da Resia. Portanto, mantém recomendação outperform para MRV, com preço-alvo de R$ 16, um potencial de alta de 40,8% em relação a cotação de fechamento da véspera.

Lavvi (LAVV3)

A Lavvi apresentou resultados neutros, na visão da XP Investimentos, no 2º Trimestre de 2022 (2T22). A receita líquida atingiu R$ 180 milhões, prejudicada por uma comparação mais difícil, devido ao lançamento de Villa Versace, mas com forte crescimento em relação.

O time de análise da XP destaca que a empresa registrou uma forte geração de caixa ajustada, principalmente devido às antecipações mais rápidas do que o esperado da carteira de recebíveis e dos novos lançamentos, que resultaram em distratos menores. Com isso, a Lavvi conseguiu distribuir R$ 60 milhões em dividendos e R$ 33 milhões via programa de recompra, mantendo uma robusta posição de caixa líquido de R$ 629 milhões.

Na frente operacional, a Lavvi apresentou dados fortes explicados pela significativa recuperação das vendas líquidas (100%) e da velocidade de vendas (VSO) atingindo níveis robustos de 36% no trimestre.

Leia também:

Do lado negativo, analistas da XP apontam a compressão de margem e aumento de despesas. A margem bruta ficou abaixo das 0,6 p.p. das estimativas XP, explicada por “(i) custos sob pressão; (ii) mix de receita com projetos com menor margem bruta; e (iii) maior nível de antecipações, implicando em menor VGV (Valor Geral de Vendas). Além disso, as despesas com vendas aumentaram para 11,5% da receita líquida, devido a maiores gastos com estandes com o lançamento de dois projetos no trimestre”.

Segundo o Itaú BBA, as últimas revisões orçamentárias levaram a uma redução da margem bruta trimestralmente, conforme esperado. O resultado final correspondeu as projeções do banco, uma vez que a receita líquida ligeiramente melhor foi parcialmente compensada por despesas de vendas acima do previsto.

BBA mantém recomendação market perform (equivalente à neutro) e preço-alvo de R$ 6, um potencial de valorização de 3,6% frente a cotação de fechamento da véspera de R$ 5,79.

Moura Dubeux (MDNE3])

A Moura Dubeux, por sua vez, reportou números sólidos no segundo trimestre, com vendas de unidades acabadas impulsionado a geração de caixa, na avaliação do Bradesco BBI.

“Moura Dubeux vem de uma sequência de trimestres com margens brutas acima do esperado devido a um maior número de projetos de condomínios, então vemos a redução da margem na base trimestral como parte de seu modelo de negócios e não vemos motivos para preocupação ou decepção, que a margem consolidada de 34,6% continua sólida e dentro da nossa expectativa de uma margem bruta consolidada recorrente acima de 30%”, comentou BBI, em relatório.

Para o Itaú BBA, a construtora reportou um conjunto razoável de resultados. A margem bruta ficou em linha com as projeções do banco, mas apresentou queda trimestral e anual, pressionada pela menor contribuição do segmento de condomínios no trimestre.

BBI espera que a Moura Dubeux continue seu domínio na região Nordeste e reafirma seu rating outperform e preço-alvo de R$14,00, um potencial de valorização de 115% frente a cotação de fechamento da véspera de R$ 6,50. Itaú BBA também tem classificação outperform para empresa, com preço-alvo de R$ 9, um potencial de alta de 38,5%.

Jackpot Fishing entrevista nesta quinta, como parte do projeto Por Dentro dos Resultados, Diego Villar, CEO, e Marcello Dubeux, CFO da Moura Dubeux, a partir das 15h. Acompanhe pelo Youtube do Jackpot Fishing.

Procurando uma boa oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje.

Jackpot Fishing Mapa do site