Jackpot Fishing

Jackpot Fishing - Ações de dividendos são as mais rentáveis em 2022, mas perdem para ativos no exterior no longo prazo

Bitcoin teve retorno de 33.344% nos últimos dez anos, enquanto índice Nasdaq rendeu 857,04% e S&P 500 avançou 623,77%

Katherine Rivas

Publicidade

As ações que pagam dividendos proporcionaram a melhor remuneração aos investidores brasileiros em 2022, superando a taxa do CDI (principal indicador da renda fixa), a inflação (IPCA) e o Ibovespa (principal índice de ações da B3). Os dados são de um levantamento da plataforma TradeMap.

O Índice de Dividendos (IDIV) – que reúne 52 ações da Bolsa com destaque no pagamento de proventos (dividendos  e juros sobre capital próprio) – teve um retorno de 14,50% de janeiro a novembro. Estão na sua carteira do IDIV papéis como Vale (VALE3), BB Seguridade (BBSE3), Gerdau (GGBR4) e Petrobras (PETR4).

A Petrobras chegou a ser a maior pagadora de dividendos do mundo no segundo trimestre deste ano e a terceira no terceiro trimestre, segundo o Índice Global de Dividendos, da gestora Janus Henderson.

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

Jaqueta XP NFL

Garanta em 3 passos a sua jaqueta e vista a emoção do futebol americano

Na segunda posição entre os indicadores mais rentáveis, aparece o CDI, com um retorno de 11,14%; seguido do Ibovespa, com rentabilidade de 7,31%. A poupança teve retorno acumulado de 7,14%.

Embora também sejam utilizados para estratégias de dividendos, os fundos imobiliários se saíram pior no quesito rentabilidade até agora em 2022. O Índice de Fundos Imobiliários (IFIX) apresentou um retorno acumulado de 2,23%, abaixo da inflação do período, de 5,26%.

Veja os detalhes abaixo:

Continua depois da publicidade

Leia também:

Dividendos: Auren entra, mas Alupar e AES Brasil saem da carteira do IDIV; Petrobras passa a integrar índice

Agenda de dividendos de dezembro: Petrobras, Taesa, Gerdau e Engie pagam nesse mês

Como receber dividendos todo mês? Confira uma carteira com 11 ações que fazem pagamentos regulares

Murilo Giovaneli, economista responsável pela área de dados econômicos da TradeMap, atribui o bom desempenho do IDIV à entrada de investidores estrangeiros no mercado brasileiro à procura de melhores rentabilidades, puxada em parte pela alta dos juros locais. “Até novembro de 2022, temos um saldo líquido dos investidores estrangeiros na B3 de R$ 105 bilhões, contra R$ 42 bilhões em 2021″, afirmou.

Mas para alguns agentes, foi a incerteza no mercado local – diante de eleições, risco fiscal e volatilidade na Bolsa – que motivou os investidores a procurar ativos tradicionalmente reconhecidos como bons pagadores de dividendos.

A fotografia do momento, no entanto, é muito diferente do filme de longo prazo. Segundo o levantamento, na última década, quem brilhou foram os ativos internacionais, o dólar, o ouro e, principalmente, o Bitcoin.

A criptomoeda teve uma rentabilidade de nada menos que 33.344%. Já os índices americanos Nasdaq e S&P 500 apresentaram um retorno de 857,04% e 623,77%, respectivamente. O levantamento já considerou a conversão para reais.

Na terceira posição entre os melhores retornos dos últimos dez anos, aparece o BDRX, índice que reúne BDRs não patrocinados negociados na B3. Trata-se de recibos de ações listadas no exterior. Na última década, o índice valorizou 630,52%, mas em 2022 o desempenho é negativo, com queda de quase 25%.

Segundo Giovaneli, o salto dos índices internacionais na última década, é reflexo da economia, com o Produto Bruto Interno (PIB) americano crescendo em média 2% ao ano, enquanto o PIB brasileiro teve uma evolução média de 0,5%. O câmbio também afetou os números, diante da desvalorização do real frente ao dólar, que saiu de R$ 2,04, no fim de 2012 para R$ 5,30, no fim de novembro deste ano, destaca o economista.

No curto prazo, o cenário se inverte, diante do peso de juros americanos em alta e a inflação global persistente. O Bitcoin apresentou queda de 65,73%, enquanto o índice Nasdaq e S&P 500 recuaram 30,46% e 18,79% respectivamente. O BDRX acumulou perdas de 24,89%.

Na visão de Giovaneli, esse movimento registrado no curto e médio prazo ainda deve permanecer por um tempo, por conta da recessão no mercado americano e as projeções de juros ainda elevados para 2023, próximos a 12%, enquanto o câmbio deve ficar nos níveis atuais.

Leia também:

11 small caps que ainda pagam dividendos acima da Selic de 13,75%; em quais vale a pena investir em 2023?

“Data com”: confira as datas de corte para investir em ações em dezembro e ganhar com dividendos

Renda em dólar? Veja dez BDRs para receber dividendos de até 20% em 2023

Katherine Rivas

Repórter de investimentos no Jackpot Fishing, acompanha ETFs, BDRs, dividendos e previdência privada.

Jackpot Fishing Mapa do site