Jackpot Fishing

Conteúdo editorial apoiado por

Jackpot Fishing - proventos podem superar 9%, mas quem ganha o título de maior “dividendeira”?

Companhias remuneram acionistas semestralmente e devem ter bons resultados em 2023, segundo analistas; principal diferença está na duração dos contratos

Katherine Rivas

Getty Images

Publicidade

Com a Selic no patamar de dois dígitos ainda por um bom tempo, o setor de seguros ganha força nas estratégias de renda passiva e pode oferecer dividendos superiores a 9% em 2023.

Para quem gosta de previsibilidade, duas seguradoras estatais se destacam, na visão dos analistas: BB Seguridade (BBSE3) e Caixa Seguridade (CXSE3).

A primeira chegou à Bolsa em abril de 2013, enquanto a segunda fez IPO em abril de 2021. Apesar de novata, analistas enxergam que a Caixa Seguridade já tem fundamentos para concorrer com a BB Seguridade no quesito dividendos.

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

Jaqueta XP NFL

Garanta em 3 passos a sua jaqueta e vista a emoção do futebol americano

Mas por que ambas as empresas soam atrativas para o mercado neste momento? Existem dois componentes que integram o lucro de uma seguradora: o ganho operacional e o ganho financeiro.

Mensalmente, as empresas arrecadam os “prêmios” – os valores pagos pelos clientes que adquirem seguros – e os mantêm investidos, geralmente em papéis de renda fixa ou em ativos de alta liquidez. As seguradoras só precisarão gastar esses valores se o seguro for acionado, em caso de “sinistro”. Até lá, o dinheiro permanece rendendo juros.

O ganho operacional ocorre se, em um determinado período, entre prêmios arrecadados e desembolsos com pagamentos por sinistros, houver sobra – ou floatexcedente.

Como esses valores também rendem por permanecerem investidos, há ainda um ganho financeiro. É por esse motivo que quando a Selic sobe, a lucratividade das seguradoras é maior – e os dividendos aumentam.

Na queda de braço entre Caixa Seguridade e BB Seguridade, confira os prós e contras de cada companhia, na visão dos analistas:

BB Seguridade: histórico forte, mas contratos prestes a vencer

Com uma década de listagem na B3, a BB Seguridade não é considerada pelos analistas uma “pechincha”, mas possui um histórico de bons resultados e geração de receitas que compensa o custo.

A companhia tem como política pagar dividendos mínimos obrigatórios de 25% do lucro líquido (payout), mas, na maior parte dos últimos anos, distribuiu 70% ou mais. Os depósitos são semestrais, geralmente em fevereiro e agosto, com atualização monetária. Sempre pagou dividendos, isentos de Imposto de Renda, e nunca juros sobre capital próprio (JCP).

A seguradora já fez recompras de ações no passado, mas seu último programa acabou em 2019.

Sergio Biz, analista focado em dividendos e sócio do GuiaInvest, explica que a BB Seguridade atua como uma espécie de holding, ganhando dinheiro por meio de investidas e oferecendo os seus produtos pela rede bancária do Banco do Brasil – seja por meio de agência ou plataforma na internet. É um sistema conhecido como bancassurance.

Entre as investidas estão: BrasilSeg, focada nos segmentos rural, prestamista e vida; BrasilPrev, de planos de previdência; Brasilcap, de títulos de capitalização; e Brasildental, de seguro odontológico. Além delas, há ainda a BB Corretora, responsável pela distribuição, com contrato com o Banco do Brasil fechado até 2033. “Os segmentos mais representativos no resultado são a Brasilseg e a BB Corretora”, afirma Biz.

Daniel Nigri, fundador e analista da Dica de Hoje Research, acrescenta que a BB Seguridade também é forte em previdência privada, com a BrasilPrev como maior operadora de previdência privada do Brasil.

Nigri explica que cada uma destas subsidiárias opera com contratos de parceria com outras companhias, que têm expertise na criação de cada tipo de seguro. A Brasilseg, por exemplo, tem uma parceria com a Mapfre até junho de 2031, enquanto a BrasilPrev e a BB Corretora seguem com a Principal até 2032. A Brasilcap e Brasildental também têm parcerias, com a Icatu Seguros e a Odontoprev, esta última válida até 2035.

O tempo até o vencimento da maioria dos contratos é de quase dez anos – um prazo curto do ponto de vista de quem quer investir para ter renda no longo prazo, diz Nigri. “Existe sempre o risco de parcerias e contratos com Banco do Brasil não serem renovados ou de haver repactuação de preços”, explica. A Caixa Seguridade, por outro lado, tem contratos até 2050.

Biz reconhece que a não renovação do contrato da BB Corretora com o Banco do Brasil seria ruim para a companhia, mas cita que atualmente isso não é visto como risco. O problema está, sim, na desaceleração da economia, que acabaria afetando a demanda por seguros.

Entre as vantagens, Biz cita a possibilidade de poder explorar a rede de distribuição do Banco do Brasil e a necessidade de baixo investimento, o que se traduz em um payoutelevado.

Os analistas estão otimistas com os resultados do primeiro trimestre, que podem vir fortes. Para Biz, o resultado operacional pode ser puxado pela Brasilseg, enquanto o resultado financeiro deve continuar crescente dados os juros elevados.

Segundo o último informativo mensal da BB Seguridade, os prêmios emitidos em seguro de vida cresceram 5,5% em março, na comparação com o mesmo mês de 2022, enquanto o prestamista evoluiu 82,3% na comparação anual. Já as emissões no segmento rural saltaram 31,6% em março.

Diante dos resultados e do histórico consolidado, Biz prefere a BB Seguridade para uma estratégia de dividendos e projeta que a companhia ofereça dividend yield de 9,5% em 2023. O preço-teto é de R$ 32. “Mesmo com o guidance [projeção de resultado] conservador, acredito que ela possa distribuir 90% do lucro”, diz.

Embora considere BBSE3 uma boa opção, Niels Tahara, head de análise fundamentalista da Benndorf Research, reconhece que a ação está ficando cara. O analista acredita que a empresa vai se beneficiar de um bom momento do agronegócio em 2023, que deve impulsionar a venda de seguros no setor. Ele projeta um dividend yield de 9% para 2023, com preço-teto de R$ 36.

Nigri espera que BBSE3 entregue dividend yield de até 9,5% em 2023, distribuindo R$ 3 por ação. Contudo, prefere outras alternativas, dado o vencimento dos contratos. “BB Seguridade deveria oferecer pelo menos 1% a mais de dividend yield do que Caixa Seguridade para compensar esse risco”, avalia.

Confira o histórico e a projeção de dividendos da BB Seguridade (BBSE3):

AnoDividend yieldDividendos por açãoPayoutDesempenho da ação
201810,86%R$ 3,09158,53%8,43%
20195,73%R$ 1,58124,18%43,61%
20207,38%R$ 2,7870%-11,44%
20213,36%R$ 1,0073%-27,04%
20229,46%R$ 1,9695%74,88%
20235,55%R$ 1,878,67%

Fonte: TradeMap e Status Invest. Considera dividendos informados à B3 que ficaram “ex” no período analisado. Números apurados em 20/04/23.

Caixa Seguridade: uma nova boa pagadora?

Os analistas também têm boas perspectivas para Caixa Seguridade neste ano, com resultado operacional sólido liderando a receita, aliado a uma expectativa de forte ganho financeiro.

Nigri reforça que a companhia é saudável e lucrativa e, independentemente dos juros elevados, o resultado operacional é o que garante o lucro. Em 2021, com a Selic em 9,25% ao ano, o resultado operacional da companhia representou 72% do seu lucro, enquanto o financeiro correspondeu a 28%.

Já no ano passado, com os juros em 13,75%, o resultado operacional da Caixa Seguridade equivaleu a 70,1% do lucro, enquanto o financeiro, a 29,9%.

Tahara explica que a Caixa Seguridade tem direito exclusivo até 2050 de acessar a base de clientes da Caixa Econômica Federal e utilizar a marca Caixa e sua rede de agências, revendedores lotéricos, correspondentes bancários, internet banking, caixas eletrônicos e outros canais de distribuição para ofertar os seus seguros. Segundo ele, o contrato pode ainda ser renovado por mais 35 anos e o risco de não renovação é baixo, por conta dos bons resultados da companhia.

A previsibilidade maior, dado o prazo dos contratos, é o que chama atenção de Nigri.

Ele explica que a Caixa Seguridade conta com duas áreas principais. Em negócios de risco, a companhia trabalha com seguro residencial, vida e prestamista (os mais representativos para a empresa), além de habitacional e assistencial. Já na área de acumulação ficam produtos como previdência, capitalização e consórcio.

A companhia tem ainda a área de corretagem, que contribui significativamente com a receita.

O analista aponta que a companhia também funciona como uma holding, semelhante à BB Seguridade, com parceiros para estruturação de seguros. Nos segmentos vida, prestamista e previdência, tem a CNP Assurances, com contratos até 2045. Esse é o contrato de maior vencimento.

Já os outros parceiros possuem contratos até 2040. No residencial e habitacional, a parceria é com a Tokio Marine. Em capitalização, com a Icatu, e em consórcio, com a CNP Assurances. Há ainda a Tempo Assist, na área de assistência.

“Essas são parcerias de produtos de seguros que a Caixa Seguridade vende no seu balcão, mas quem presta o serviço são essas outras empresas, que já têm o domínio da área”, explica Nigri.

Segundo o analista, a Caixa Seguridade também investe nestas companhias, das quais possui mais de 49% das ações ordinárias. “Essas empresas geram lucro, pagam dividendos para a holding e a companhia repassa os proventos aos seus acionistas”.

A Caixa Seguridade tem como política pagar dividendos mínimos obrigatórios de 25% do lucro líquido ajustado, mas, desde que abriu capital em 2021, distribuiu 90% do lucro por semestre. Os pagamentos geralmente ocorrem em maio e novembro.

Em 2022, o CFO da companhia, Eduardo Oliveira, chegou a manifestar que a Caixa Seguridade avaliava a possibilidade de pagar dividendos trimestralmente, mas não houve desdobramentos.

A companhia deve aprovar o pagamento de dividendos de R$ 0,50 por ação em assembleia nesta quarta-feira (26). A data de corte é a próxima quinta (27).

Os analistas estão otimistas para o balanço do primeiro trimestre. Nigri acredita que, embora possa ter uma queda sazonal dos prêmios emitidos, o resultado deve vir forte e muito melhor do que os do primeiro trimestre de 2022.

Já Tahara enxerga que a companhia tem boas oportunidades com uma posição mais ativa da Caixa Econômica Federal no crédito durante o novo governo, que facilitaria a oferta conjunta de seguros aos consumidores.

No seu último relatório de desempenho mensal, a Caixa Seguridade reportou que teve um crescimento na emissão de prêmios no segmento prestamista (36,1%), vida (14,5%), residencial (10,7%) e habitacional (8,5%) no acumulado de 2023.

Até março, as reservas de previdência alcançaram R$ 138,3 bilhões, um salto de 18,5% frente ao mesmo mês de 2022. A arrecadação em capitalização, por sua vez, cresceu 210,9%.

A sinistralidade, que é o custo do seguro quando é ativado, apresentou redução de 4,4 pontos percentuais em março, em relação a fevereiro, influenciada pelo segmento habitacional e residencial. No acumulado de 2023, a sinistralidade foi de 24,7%, também em queda.

Nigri prefere Caixa Seguridade como alternativa para dividendos, por conta dos contratos com vencimentos maiores. Para 2023, ele calcula um dividend yield de 9% a 9,5%, ou proventos de R$ 0,90 por ação.

Para Tahara, que prefere a BB Seguridade, a Caixa Seguridade deve ter dividendos de 11% neste ano. O preço-teto para compra de CXSE3 é de R$ 12.

Confira o histórico e a projeção de dividendos da Caixa Seguridade (CXSE3):

AnoDividend yieldDividendos por açãoPayoutDesempenho da ação
2021R$ 0,2490%
20227,76%R$ 0,6590%7,74%
202316,29%

Fonte: TradeMap e RI da empresa. Considera dividendos informados à B3 que ficaram “ex” no período analisado. Números apurados em 20/04/23.

Katherine Rivas

Repórter de investimentos no Jackpot Fishing, acompanha ETFs, BDRs, dividendos e previdência privada.

Jackpot Fishing Mapa do site